Justiça acata pedido do Ministério Público e mantém prefeito ‘Sandro Moco’ afastado por mais 180 dias

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

A Justiça acatou o pedido do Ministério Público e manteve o prefeito de Camalaú, Alecsandro Bezerra dos Santos, mais conhecido como Sandro Moco, afastado por mais 180 dias do cargo. A decisão se deu de forma monocrática pelo desembargador Arnóbio Alves Teodósio ao analisar cautelar inominada criminal N° 0805566-68.2021.815.0000.

O prefeito está afastado desde agosto de 2020, após ter sido alvo de uma operação do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público da Paraíba (MPPB), que investigou fraudes na locação de veículos. Ele foi reeleito com 55,34% dos votos, em outubro de 2020.

Operação Rent a Car

O prefeito Alecsandro Bezerra dos Santos, Sandro Moco (PSDB), de Camalaú, na Paraíba, foi preso no dia 14 de agosto. Ele foi principal alvo da operação Rent a Car, desencadeada em conjunto pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), Comissão de Combate aos Crimes de Responsabilidade e à Improbidade Administrativa (CCRIMP), do Ministério Público, e pela Polícia Militar.

A Operação Rent a Car apurou a ocorrência de crimes de falsidade documental, fraudes em licitação e desvio de recursos públicos na prefeitura do município de Camalaú. Os contratos fraudulentos provocaram um prejuízo ao erário no valor de R$ 314.690,62.

Durante o cumprimento dos mandados de busca e apreensão foram encontrados arma e uma bolsa com muito dinheiro na casa dele. O Ministério Público estima em R$ 60 mil o volume de recursos encontrado em poder do político.

A Operação foi baseada em uma ação penal movida pelo MPPB contra o prefeito de Camalaú, Alecsandro Bezerra dos Santos, e outras pessoas envolvidas, que são suspeitos de planejar e executar engenho voltado para desviar recursos públicos do município, processado após prévia emissão de documentos falsos e locação fraudulenta de veículos do prefeito, sendo uma caminhonete e um caminhão, registrados em nome de “laranjas”.

Destaques

As Mais Lidas​

Notícias Relacionadas