‘Terceiro Mandamento’: prisões preventivas são mantidas após audiência de custódia

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

As 12 prisões na Operação Terceiro Mandamento, deflagradas na última quinta-feira (7), foram mantidas pela 2ª Vara de Sousa, após passarem por audiência de custódia. Os empresários, contadores, despachantes e assistentes administrativos vão permanecer presos nas penitenciárias dos municípios de Patos, Sousa e em Catolé do Rocha.  Eles foram detidos durante a maior operação de combate à sonegação e fraude fiscal da Paraíba nos municípios de São Bento, Sousa e João Pessoa, são investigados por delitos de formação de organização criminosa (Orcrim), sonegação fiscal, lavagem de dinheiro e falsidade ideológica.

A ação dos promotores de Justiça Renata Carvalho da Luz e Daniel Dal Pont Adriano, para manter as prisões preventivas, foi aceita pela juíza da 2ª Vara de Sousa. Durante a audiência de custódia, nenhuma ilegalidade foi apontada pelos investigados no momento do cumprimento dos mandados de prisão. Na operação, foram expedidos 14 mandados de prisão e outros 25 de busca e apreensão. Dois empresários do Mato Grosso do Sul e do Paraná continuam foragidos. A juíza da 2ª Vara Mista de Sousa também determinou, por ordem judicial, o sequestro de cerca de 30 carretas/cavalos, que estão circulando no País, e dos imóveis dos acusados da Orcrim.

Núcleo de Combate à Sonegação Fiscal
A operação ‘Terceiro Mandamento’, que teve como alvo principal o município de São Bento, no Sertão da Paraíba, polo têxtil do Estado, onde ocorreram 10 prisões, e as outras duas prisões em João Pessoa e Sousa, foi uma atuação conjunta do Núcleo de Combate à Sonegação Fiscal do Estado da Paraíba. As instituições e órgãos que compõem o núcleo são a Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz-PB), por meio da Gerência de Combate à Fraude Fiscal; o Ministério Público da Paraíba, pela Promotoria de Justiça de Crimes Contra a Ordem Tributária, e a Polícia Civil, por meio da Delegacia de Crimes Contra a Ordem Tributária.

A operação contou ainda com uma força-tarefa formada pelo Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado (Geco/MPPB), pela Polícia Militar e pela Polícia Rodoviária Federal (PRF).

R$ 230 milhões de prejuízo
Após quase três anos de investigação, foi desarticulada a organização criminosa cuja atuação consistiu na constituição de 81 empresas de fachadas/fantasmas, que tinham a finalidade de viabilizar a circulação de mercadorias sem o recolhimento do ICMS devido ao Estado da Paraíba.

O levantamento inicial mostra que houve faturamento de quase R$ 900 milhões em artigos de cama e mesa, como fios e mantas, sem o devido recolhimento do ICMS, o que provocou um prejuízo de mais de R$ 230 milhões em tributos sonegado por essa organização criminosa.

Cerca de 250 agentes públicos, dentre auditores fiscais do Estado, policiais civis, militares e rodoviários federais, além de promotores de Justiça, delegados e servidores públicos dos órgãos e instituições participaram da Operação Terceiro Mandamento.  

Destaques

As Mais Lidas​

Notícias Relacionadas