Em duas semanas, pelo menos 15 pessoas foram executadas na fronteira com o Paraguai

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

Pelo menos 15 pessoas foram executadas na fronteira entre o Brasil e o Paraguai nas duas últimas semanas. Somente entre a tarde de sexta-feira (8) e este sábado (9). Entre os mortos estão, o vereador eleito pelo Dem, Farid Charbell Badaoui Afif, de 37 anos e Haylee Carolina Acevedo Yunis, de 21 anos filha do governador do departamento de Amambai.

Segundo as autoridades policiais da região, a fronteira faz parte de rotas de comércio ilegal e é disputada por quadrilhas do tráfico de armas, drogas, contrabando e outros crimes transnacionais, como explica o chefe da Polícia Federal em Ponta Porã, Diego Santana Gordilho Leite

Embora os crimes de assassinato sejam de atribuição da Polícia Civil, a Polícia Federal está acompanhado a escalada de execuções na região, segundo Fabrício de Azevedo Carvalho, delegado regional de Investigação e Combate ao Crime Organizado da Superintendência no Mato Grosso do Sul.

Possíveis soluções

Para o presidente do Instituto de Desenvolvimento de Fronteiras, Luciano Barros, há caminhos para reduzir o cenário de perdas de vida na região.

“Ampliar os mecanismos de cooperação polícial, judical entre os países vizinhos para que em conjunto possam fazer um enfrentamento mais técnico, mais eficaz nestas áreas”, pontua.

Crimes mais recentes

Na sexta-feira (8), o vereador Farid Afif (DEM) foi atingido quando andava de bicicleta do lado brasileiro da fronteira, em Ponta Porã. Segundo a polícia, ele ainda tentou se proteger, entrando em uma loja de veículos, mas foi atingido já dentro da concessionária.

Três horas antes, Farid havia postado um vídeo nas redes sociais defendendo o uso da bicicleta como meio de transporte.https://tpc.googlesyndication.com/safeframe/1-0-38/html/container.html

Doze horas depois do assassinato do vereador no lado brasileiro, quatro pessoas foram mortas com tiros de fuzil em Pedro Juan, quando saíam de uma balada. Entre elas, estavam duas jovens brasileiras e a filha do governador do Departamento de Amambai, estado paraguaio vizinho do Mato Grosso do Sul.

Destaques

As Mais Lidas​

Notícias Relacionadas