X
Dólar
Euro
23 de June de 2021

ATENÇÃO

Paraíba confirma dois casos suspeitos de fungo negro; doença tem sido associada à Covid-19

07/06/2021 | 08h19min
Hospital Universitário Lauro Wanderley (Foto: Assessoria)

O secretário de Estado de Saúde da Paraíba, Geraldo Medeiros, confirmou nesta segunda-feira (07), dois casos suspeitos de infecção por mucormicose, conhecido como fungo negro, na Paraíba. Medeiros afirmou que essa doença acomete pacientes imunossuprimidos, geralmente diabéticos após covid-19 grave.

“Temos pacientes no Hospital Universitário, de Areia de Baraúnas. Os casos estão em análise e brevemente teremos a confirmação ou não da contaminação”, disse em entrevista a uma emissora de TV da Capital.

O secretário afirmou que a doença não é transmissível e que os pacientes sob suspeita estão sendo analisados pela vigilância em saúde do Estado.

Morte investigada

A Secretaria de Estado da Saúde, por meio do CIEVS PB, recebeu a notificação de dois casos suspeitos de mucormicose. O primeiro caso um é de uma mulher adulta, residente no município de Areia Baraúna. A paciente estava aos cuidados do Hospital Universitário Lauro Wanderley, em João Pessoa e foi a óbito no dia 13 de maio de 2021. O outro caso é de um homem de 38 anos, residente em João Pessoa, e já está curado. Ambos tiveram Covid-19 anteriormente.

A mucormicose é uma doença causada por fungos da ordem Mocurales. Assim como outros fungos potencialmente inalatórios, afeta comumente pacientes com o sistema imunológico debilitado, podendo acometer nariz e outras mucosas. Os sintomas variam de acordo com a localização da infecção. Nos pulmões, pode haver tosse expectoração e falta de ar. Na face e nos olhos, pode ocorrer vermelhidão intensa e inchaço.

A suspeita dos casos já foi informada ao Ministério da Saúde e os mesmos estão sob investigação epidemiológica da SES.

Sintomas

Segundo a Agência de Notícias, AFP, em referência aos casos na Índia, geralmente, os afetados com o fungo são pacientes com Covid-19 que já possuíam histórico de diabetes, HIV ou até mesmo já haviam passado por transplante. A maioria, nesse caso, estava com o organismo imunocomprometido. De acordo com a publicação, a propagação da doença, inclusive, foi associada por médicos da Fundação de Saúde Pública da Índia ao uso indiscriminado de esteroides no tratamento do coronavírus.

Sintomas da mucormicose rinocerebral (seios da face e cérebro):

Edema facial unilateral

Dor de cabeça

Congestão nasal ou sinusal

Lesões pretas na ponte nasal ou parte superior da boca que rapidamente se tornam mais graves

Febre

Mucormicose pulmonar (pulmão):

FebreTosse

Dor no peito

Falta de ar

Mucormicose cutânea (pele):

Pode se parecer com bolhas ou úlceras, e a área infectada pode ficar preta. Outros sintomas incluem dor, calor, vermelhidão excessiva ou inchaço ao redor de uma ferida.

Mucormicose gastrointestinal:

Dor abdominal

Náusea e vomito

Sangramento gastrointestinal

Mucormicose disseminada:

Geralmente ocorre em pessoas que já estão doentes devido a outras condições médicas, então pode ser difícil saber quais sintomas estão relacionados à mucormicose. Pacientes com infecção disseminada no cérebro podem desenvolver alterações do estado mental ou coma.

Com informações da AFP


Marília Domingues

Você também pode enviar informações à redação do portal paraiba.com.br pelo whatsapp 83 98149 3906.