X
Dólar
Euro
21 de June de 2021

POLÊMICA

Conselho das Secretarias Municipais também questiona distribuição de vacinas pela Saúde do Estado

24/03/2021 | 07h48min
Foto: Codecom PMCG

A exemplo do Ministério Público da Paraíba, que já fez questionamento a respeito da distribuição de vacinas pela Secretaria de Estado da Saúde (SES), o Conselho de Secretarias Municipais de Saúde da Paraíba (Cosems-PB) acredita que há claros erros na distribuição de vacina contra Covid-19 que teria destinado doses excedentes para à Prefeitura de João Pessoa em detrimento dos outros 222 municípios paraibanos.

O questionamento de uma instituição e uma entidades abalizadas sobre os critérios de distribuição de vacinas pelo Governo da Paraíba reforça a denúncia do prefeito de Campina Grande, Bruno Cunha Lima, no início desta semana. O gestor afirmou que tem havido um desequilíbrio no processo de distribuição dos imunizantes, prejudicando não só Campina Grande, mas todas as outras 221 cidades do Estado.

Em suas redes sociais, Bruno já denunciava o que estava ocorrendo e pediu providências ao Ministério Público da Paraíba, que já se manifestou pela procedência da irregularidade apontada.

Desequilíbrio

O Cosems-PB, em nota, vai mais além: quer o reparo do “equivoco”, com a consequente compensação das doses aos municípios prejudicados.

A entidade se manifestou pelo site oficial do Conselho, informando que houve um erro de interpretação por parte da SES em relação à liminar em favor de João Pessoa, que acabou prejudicando os municípios com menor quantitativo de doses para vacinação dos idosos.

“Ao verificarmos o problema, enviamos um documento à SES solicitando reparação desse equívoco para os municípios que estão sendo prejudicados”, explicou a presidente do Conselho, Soraya Galdino.

E completou: “Por causa disso o município de João Pessoa está à frente na faixa etária de vacinação, dando a impressão à população que os demais municípios estão com suas vacinas ‘atrasadas’, quando, na verdade, é porque a Capital recebeu mais doses em detrimento dos outros e conseguiu avançar muito mais”.

Dando bases concretas ao que o prefeito Bruno apontava no início desta semana, o Cosems-PB revela que, por conta dessa prática, João Pessoa  “terminou recebendo, portanto, 100% das doses que seriam destinadas aos idosos mais um acréscimo de 6% para imunizar profissionais de saúde. Esses 6%, ao contrário do que determinava a decisão judicial, não foi retirado da quota do município, mas, sim, de todos os demais. Há prejuízo evidente em tal modo de agir”, acentua.


Redação com Codecom PMCG

Você também pode enviar informações à redação do portal paraiba.com.br pelo whatsapp 83 98149 3906.

Notícias Relacionadas