X
Dólar
Euro
05 de June de 2020

TENSÃO

EUA e Irã: Entenda quem é quem na crise

07/01/2020 | 08h40min

Estados Unidos e Irã estão no centro de uma crise no Oriente Médio desde que o principal general iraniano, Qassem Soleimani, morreu durante um ataque aéreo americano em Bagdá, no Iraque, na última quinta-feira (2).

A tensão na região envolve interesses não só de americanos e iranianos, e outros fatores, como o petróleo e a religião, também contribuem para impasses entre países.

Entenda abaixo, em ordem alfabética, quem é quem na disputa:

Abu Mahdi al-Mohandis

Com dupla nacionalidade do Iraque e do Irã, al-Mohandis (também grafado al-Muhandis) morreu no mesmo ataque americano que matou Soleimani. Era vice-líder das Forças de Mobilização Popular, conjunto de milícias iraquianas – parte delas financiadas pelo Irã – que se mobilizaram, em 2014, para combater o Estado Islâmico no país.

Al-Mohandis fundou e comandou a milícia Kataib Hezbollah, uma das integrantes das Forças de Mobilização Popular, que é acusada de invadir a embaixada dos Estados Unidos no dia 31 de dezembro.

Adel Abdul-Mahdi

Primeiro-ministro do Iraque, anunciou em novembro de 2019 que renunciaria ao cargo por causa dos protestos que ocorrem no país, mas ele e seu gabinete ainda estão no poder como “zeladores” até que um novo premiê seja escolhido. O prazo para isso venceu em dezembro, mas o Parlamento iraquiano ainda não apontou um nome.

Mais recentemente, apoiou a resolução aprovada pelos parlamentares do Iraque pedindo que as atividades de tropas estrangeiras no país fossem encerradas.

Ali Khamenei

aiatolá Ali Khamenei é o líder supremo e, na prática, a autoridade política mais importante do Irã. Está no poder desde 1989, e foi um dos que prometeram “vingança” aos EUA pela morte de Soleimani.

Arábia Saudita

Rival regional do Irã, é aliado dos Estados Unidos. Com a morte de Soleimani, a situação de países do Golfo, como a Arábia Saudita e os Emirados Árabes, fica complicada devido à proximidade deles do Irã.

O Ministério das Relações Exteriores saudita pediu calma na escalada das tensões entre o Irã e os americanos. “É certamente um momento muito perigoso”, disse o ministro, o príncipe Fayzal bin Farhan.

Oriente Médio — Foto: G1

Oriente Médio — Foto: G1

Em setembro passado, um ataque a drones a instalações petrolíferas sauditas já havia aumentado as tensões na região. Os americanos acusaram o Irã pelo ataque, mas o país negou.

Estado Islâmico

Grupo terrorista fundamentalista muçulmano. Também conhecido pelo acrônimo em árabe Daesh, ganhou força em 2014, quando conseguiu controlar parte significativa dos territórios da Síria e do Iraque. O objetivo do grupo era fundar um “califado” que aplicasse de forma restrita a Sharia, a lei islâmica.

É um dos principais atores que causaram a desestabilização no Oriente Médio e que contribuíram para a crise de refugiados da Síria.

A luta contra o Estado Islâmico reuniu, em uma coalizão, grupos que já haviam estado em lados opostos, como os Estados Unidos e algumas das milícias do Iraque. Desde a mobilização conjunta, o grupo terrorista perdeu força, mas ainda tem redutos na Síria. No Iraque, foi declarado oficialmente derrotado em 2017.

O fundador do Estado Islâmico, Abu Bakr al-Baghdadi, morreu em outubro de 2019, durante um ataque americano na Síria.

Estados Unidos

Com um histórico de interferências no Oriente Médio, o presidente do país, Donald Trump, ordenou o ataque do dia 2 de janeiro que matou o general iraniano Qassem Soleimani. Antes disso, os EUA também se envolveram na luta contra o Estado Islâmico. Em 2001 e em 2003, respectivamente, invadiram o Afeganistão e o Iraque, após os ataques terroristas de 11 de setembro.

Têm rivalidades com o Irã e são inimigos de vários grupos terroristas da região, como o Hezbollah, do Líbano, e a milícia iraquiana Kataib Hezbollah. São aliados de IsraelArábia Saudita e Emirados Árabes.

Forças de Mobilização Popular do Iraque

Conjunto de milícias, algumas delas financiadas pelo Irã, que se mobilizaram em 2014 para combater o Estado Islâmico no Iraque. Lideradas por Faleh al-Fayyad, ganharam influência quando seus membros se juntaram a forças de segurança e tropas americanas para derrotar o grupo terrorista.

Desde então, as Forças de Mobilização Popular se tornaram uma facção política poderosa, e a estimativa é de que elas tenham a maior parte das cadeiras no Parlamento do Iraque. O Kataib Hezbollah, milícia acusada pelos Estados Unidos de invadir a embaixada americana em Bagdá no dia 31 de dezembro, é um de seus membros.

Seu vice-líder, Abu Mahdi al-Mohandis, morreu no mesmo ataque que matou o general iraniano Qassem Soleimani.

Irã

País muçulmano de maioria xiita, é rival dos Estados Unidos e inimigo de vários países da região, incluindo a Arábia Saudita – outro grande exportador de petróleo – e Israel, cuja existência não reconhece.

O sistema político do Irã tem elementos de uma democracia presidencialista – seu presidente é Hassan Rouhani – com os de uma teocracia, forma de governo em que Deus é considerado a autoridade suprema. Seu líder supremo é o aiatolá Ali Khamenei. O general Qassem Soleimani, morto pelos Estados Unidos, era considerado a segunda pessoa mais importante do Irã depois de Khamenei.

O Irã também é responsável por financiar, no Iraque, algumas das milícias que formam as Forças de Mobilização Popular.

Iraque

País muçulmano de maioria xiita, vive protestos desde outubro do ano passado, quando manifestantes foram às ruas contra a corrupção, o desemprego, a má qualidade de serviços públicos e a interferência estrangeira. O governo abriu fogo contra as pessoas, e a estimativa é de que mais de 500 tenham morrido e 19 mil ficado feridas nos confrontos desde então, segundo a enviada especial da ONU ao país.

O primeiro-ministro iraquiano, Adel Abdul-Mahdi, anunciou em novembro que renunciaria ao cargo por conta dos protestos. Ele e seu gabinete ainda estão no poder como “zeladores” até que um novo premiê seja escolhido. O prazo para isso venceu em dezembro, mas o Parlamento do país não apontou um nome.

No domingo (5), os parlamentares iraquianos pediram ao governo que encerrasse as atividades de tropas estrangeiras no país – incluindo as dos Estados Unidos, que voltaram ao país em 2014 para combater o Estado Islâmico.

Antes disso, as tropas americanas invadiram o território iraquiano, em 2003, e só saíram em 2011, em uma guerra bilionária que deixou centenas de milhares de mortos.

Israel

Aliado histórico dos Estados Unidos no Oriente Médio, é o único país judaico da região (e do mundo). Seu primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, deu declaração de apoio ao ataque dos Estados Unidos que matou Soleimani.

A existência de Israel não é reconhecida por vários países da região – incluindo o Líbano, o Irã, a Arábia Saudita, a Síria e os Emirados Árabes.

Depois da morte de Soleimani, líderes iranianos fizeram reiteradas ameaças ao território israelense. A filha do general, Zeinab Soleimani, afirmou ainda que a morte do pai traria “dias mais escuros” para Israel e Estados Unidos.

Kataib Hezbollah

Milícia iraquiana financiada pelo Irã, integrante das Forças de Mobilização Popular do Iraque e classificada como terrorista pelos Estados Unidos, de quem é inimiga. Foi fundada pelo comandante Abu Mahdi al-Mohandis, que morreu no mesmo ataque que matou o general Qassem Soleimani.

O grupo é acusado pelos Estados Unidos de invadir a embaixada americana em Bagdá no dia 31 de dezembro e de estar por trás do ataque, no dia 27, que matou um civil americano em uma base militar iraquiana em Kirkurk.

Seu nome significa “Brigadas do Hezbollah”, ou “Brigadas do Partido de Deus”. O grupo é separado do Hezbollah do Líbano.

Qassem Soleimani

General iraniano morto pelos Estados Unidos. Era chefe da Força Quds, unidade de elite da Guarda Revolucionária do Irã, e apontado como o cérebro por trás da estratégia militar e geopolítica do país. Soleimani era considerado a segunda pessoa mais importante do Irã depois do aiatolá Ali Khamenei, líder supremo do país.

O primeiro-ministro do Iraque declarou que a morte de Soleimani foi um “assassinato político” e que o general era um “mártir” responsável por “grandes vitórias contra o Estado Islâmico”.

Síria

Vive uma guerra civil desde 2011, quando começaram protestos contra o atual presidente, Bashar al-Assad, que governa o país desde 2000.

As principais forças no conflito são/eram:

  • Rússia, o Irã e o Hezbollah, do Líbano, que apoiam Assad contra o Estado Islâmico;
  • a coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos, que lutou para combater o Estado Islâmico;
  • o Estado Islâmico, que já chegou a controlar parte significativa do território sírio, mas vem perdendo força desde 2016 e, hoje, detém redutos no país;
  • os curdos, grupo étnico de maioria muçulmana presente em vários países da região, mas sem Estado próprio. Lutaram ao lado dos Estados Unidos em pelo menos parte da guerra;
  • Turquia, que combateu tanto o governo de Assad quanto o Estado Islâmico.

Até março do ano passado, cerca de 5,7 milhões de sírios haviam deixado o país, segundo a ONU, e mais de 6,1 milhões haviam sido deslocados dentro do território sírio.

Tensão elevada entre EUA e Irã — Foto: Amanda Paes/G1

Tensão elevada entre EUA e Irã — Foto: Amanda Paes/G1


G1

Você também pode enviar informações à redação do portal paraiba.com.br pelo whatsapp 83 98149 3906.