X
Dólar
Euro
23 de setembro de 2019

ASSASSINADO

Meio-irmão de Kim Jong-un era informante da CIA, segundo jornal

11/06/2019 | 10h19min

Kim Jong-nam, o meio-irmão do líder norte-coreano Kim Jong-un que foi assassinado na Malásia em 2017, era um informante da CIA, informa o “Wall Street Journal”.

Foto: AP Photos/Wong Maye-E, Shizuo Kambayashi, File

Citando uma pessoa próxima ao caso, o jornal norte-americano afirma que que Kim Jong Nam se reuniu diversas vezes com funcionários da Agência Central de Inteligência (CIA) dos Estados Unidos.

Kim Jong-nam, filho mais velho de Kim Jong-il, chegou a ser considerado em uma época como o herdeiro do governo da Coreia do Norte. Ele morreu depois de ser atingido no rosto com o agente nervoso VX no aeroporto de Kuala Lumpur.

De acordo com a fonte do WSJ, havia uma ligação entre Kim Jong-nam e a CIA, mas o jornal destaca que muitos detalhes de sua conexão com a agência de inteligência não estavam claros.

Kim Jong-Nam, filho mais velho do dirigente norte-coreano Kim Jong-il — Foto: AP

Kim Jong-Nam, filho mais velho do dirigente norte-coreano Kim Jong-il — Foto: AP

A fonte afirmou que Kim Jong-nam viajou à Malásia em fevereiro de 2017 para uma reunião com seu contato da CIA, mas afirmou que talvez este não fosse o único propósito da viagem.

Acusadas pensavam que participavam de pegadinha

Kim Jong Nam morreu depois de ser atacado com o agente neurotóxico no aeroporto de Kuala Lumpur em 13 de fevereiro de 2017, um assassinato ao estilo da Guerra Fria que chamou a atenção de todo o planeta.

Duas mulheres jovens, uma vietnamita e uma indonésia, foram detidas e acusadas formalmente por assassinato. Elas insistiram que foram enganadas por agentes norte-coreanos, que as levaram a acreditar que o ataque era uma “pegadinha” para um programa de TV.

Doan Thi Huong, do Vietnã, e Siti Aisyah, da Indonésia, devem ser indiciadas por assassinato de  Kim Jong-nam, irmão do líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un  — Foto: Reuters

Doan Thi Huong, do Vietnã, e Siti Aisyah, da Indonésia, devem ser indiciadas por assassinato de Kim Jong-nam, irmão do líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un — Foto: Reuters

As duas foram liberadas depois que a Promotoria da Malásia abandonou as acusações por um assassinato que a Coreia do Sul atribui ao regime norte-coreano, que nega qualquer envolvimento.

Kim Jong-nam caiu em desgraça depois de ser deportado do Japão em 2001 por tentar entrar com um passaporte falso no país para visitar a Disneylandia.

Desde então vivia no exílio, no território chinês de Macau.


G1

Você também pode enviar informações à redação do portal paraiba.com.br pelo whatsapp 83 98149 3906.